MINHA TRAJETÓRIA FITNESS - BÔNUS E ÔNUS

18:54


Sabe aquela curiosidade de leitora que a gente espera o momento certo pra sanar? Pois é, comigo o que mais surge de dúvidas/curiosidades é justamente sobre meu ingresso ao universo das “musculosas”, o universo fitness.

OBS: primeiro quero deixar claro que não sou das mais fortes nem das mais definidas (antes que role algum comentário já nesse sentido), segundo, que não sou 100% fitness e não quero tornar minhas considerações algo que traga negatividade ou coisa parecida e, terceiro, é um pedido que há tempos desde a criação do blog eu quis fazer o post, porém outras ideias iam surgindo. Confesso que esse texto que você está lendo estava salvo no meu pc há meses, sem finalizar. Porque eu precisava reunir algumas informações minhas do passado, enfim. 

Demorou, mas estamos aqui para conversar sobre esse universo de treinos, dietas, suplementação e tals!
Em geral quando pensamos em iniciar novos hábitos em virtude de saúde ou estética, a princípio a gente quer radicalizar, algumas pessoas com exceções, claro. Comigo não foi diferente. Comecei a fazer musculação com 16 anos, último ano de meu ensino médio, ou seja, passei uma das fases da adolescência que nos marcam bastante sem me “encaixar” no grupo que fazia parte. Sempre tive amigas bonitas e eu nunca me achei feia. Porém, eu destoava das demais por ser alta e muito magra. Era um tipo físico comercial, mas a gente já passava pela transição do estereótipo magro para os saradões, era a época das panicats e eu não fazia parte desse universo. Todas minhas amigas eram de estatura média e eu a cumprida das canelas enormes. Apelidos eu tinha aos montes – Olívia palito, vara de tirar caju, bambu, canela de saracura – nunca me abati com isso porque apesar de alguns me apelidarem assim, eu tinha bom humor e sempre fui engraçada, logo meu foco era esse, ser engraçada. Só que fazer os outros darem risada não ia mudar minha estética e, se eu não queria mais receber esses apelidos precisava fazer algo de diferente. Foi quando iniciei na academia. Onde eu residia só havia duas, uma era de marombeiro mesmo, a outra era só de mulheres e foi lá que galguei meus primeiros treinos. Depois foi quando passei no vestibular e me mudei de cidade. Como a faculdade era diurno treinar ficou difícil, entretanto eu tinha na grade aulas práticas beeeeeem puxadas que trabalhavam minha musculatura de outra maneira. 


Nessas fotos estou bem abaixo do peso - lê-se magrinha mesmo -  e eu tinha 17 anos na foto que estou de preto e 18 anos na de roupa rosa. Notem os cambitos...




Depois de um ano nessa cidade eu decidi voltar a treinar musculação. Só que gente, era um treino ‘mea boca’ sabe, sem resultado. Eu fazia um esforço doido e nada de gominhos nas coxas. Comecei a achar que a genética era mais forte do que a persistência. Dois anos depois me casei com um boxeador que também treina musculação pesada e me encaminhou com algumas boas dicas, além dele também ter uma academia de musculação, o que contribuiu bastante. Eram treinos bem pesados e eu precisava me alimentar direitinho pois o desgaste físico estava sendo grande. Iniciei novos hábitos alimentares e meses mais tarde (uns seis meses depois) comecei uma suplementação básica para auxiliar na alimentação e nos treinos. Os resultados começaram, lentamente a aparecer, b e e e e em....  Lentamente!!
Apesar de estar sendo bem supervisionada, suplementada corretamente e com uma gama de bons exercícios, eu queria mais. Esse foi um GRANDE erro meu. Primeiro: sou dançarina e preciso ter um porte físico não tão musculoso, preciso ter leveza nos movimentos, flexibilidade, tudo que antes de treinar eu tinha e não poderia perder com essa obsessão que fazer musculação estava se tornando em minha vida. Cultuar esse corpo belo me fez ficar paranoica. 
Antes de treinar pesado minhas medias eram as seguintes:

Altura: 1,67
Peso: 46kg
Percentual de Gordura: 10, 428%
Cintura: 60
Abdômen: 64
Quadril: 92
Coxas: 48
Panturrilha: 28


Fui apresentada aos anabolizantes e fiz uso das substâncias uma vez, o chamado ciclo. Antes eu tinha até vergonha de contar isso, sempre neguei o uso, mas, se eu estou querendo viver sem mentiras/hipocrisia e, sem importar com opiniões que não somam à mim, preciso me desgarrar das omissões. É obvio que não é motivo de me vangloriar contando que já fiz uso disso, estou apenas assumindo uma dúvida que muita gente tem e fala, porque eu sei que falam. Um dos efeitos negativos que essa droga fez em mim foi alterar minha voz. Eu cantava e tinha um timbre agudo bem bonito. Perdi esse dom graças a obsessão e o culto ao corpo perfeito.

Percebam a diferença dos braços nessa foto com as de cima, nessa já com 21 anos em fevereiro desse ano (2016)

Nem tudo são flores né? Apesar de conseguir modificar meu corpo abandonando o título de magrinha e virando uma sarada, perdi um dos talentos que me tornava diferente das demais, que era o de poder cantar. Ainda canto e sou afinada, porém, não alcanço notas agudas como antigamente.
Depois de ter feito esse ciclo eu fiquei assustada com o quanto eu cresci e, recentemente olhando algumas fotos do ano passado (no período que fiz uso) percebo que meu rosto estava redondo demais, meus ombros bem definidos e as coxas exageradamente enormes.
Em um ano minhas medidas eram as seguintes:

Altura: 1,67
Peso: 62 kg
Percentual de Gordura: 12,125%
Cintura: 68
Abdômen: 72
Quadril: 100
Coxas: 61
Panturrilha: 36


É minha gente, já estive assim, bem enorme. Pelos números vocês podem até achar que não, mas peguem uma fita métrica e meçam em vocês cada parte que citei e veja como eu estava. Essa cintura então, senhooooooooor!
Dei uma acalmada em minha loucura e parei de treinar pesado, com o intuito apenas de manter e, recuperar minha flexibilidade que não perdi, mas já estava apresentando falhas, bem como o corpo pesado para dançar, ou seja, estava sem leveza.
Em contrapartida, minha propriocepção corporal/espacial melhorou bastante, meu centro de força estava reestruturado, adquiri força no abdômen e limpeza na finalização de movimentos de dança.

Vale ressaltar que sou de estatura média (nem alta/nem baixa) logo esse peso e essas medidas atuais são ideais para mim, não tome esse modelo como exemplo à ser seguido.
Hoje, apresento-lhes minhas medidas que dentro de mais um ano mudaram novamente bastante:

Altura: 1,67
Peso atual: 58kg
Percentual de Gordura: 11%
Cintura: 62
Abdômen: 65
Quadril: 100
Coxas: 59
Panturrilha: 35

Diminui alguns quesitos e outros não. O intuído desse post é de contar para todas as pessoas que desde a criação do instagram @ameliafitness_ enchem meu direct pedido orientação para tirar dúvida de treino, para falar de minha rotina de alimentação, se eu sempre fui assim, se tenho tendência a engordar, etc e tal.
Sinto-me mais leve depois de compartilhar com vocês minha trajetória que não foi das mais limpas, mas foi o que aconteceu de fato.
Arrependimentos? SIM
Voltaria atrás? Não. Cada situação que vivo serve de aprendizado para não errar novamente mais à frente. Se cometi erros ao entrar nesse universo fitness foi para eu aprender que permanecer nele de maneira sadia e sem neuras ou obsessões dependiam apenas de minha mentalidade e de eu estar preparada para me aceitar.
Deixei de ser a cumpridona magra e hoje me sinto satisfeita com o corpo, sem mais nem menos.

Foto recente tirada em 27 de outubro - 22 anos









Espero de alguma maneira ter ajudado vocês, ter sanado as frequentes dúvidas sobre esse assunto e se tiverem mais alguma, deixem nos comentários que posso fazer até um novo post com respostas!
PS: não sigam nenhum exemplo que visivelmente está direcionado ao caminho errado. O que serve (ou serviu para mim) pode não ter o mesmo resultado com você.

Grande beijoo!



VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM

1 comentários

  1. Nossa, meninaaa, que força de vontade! Preciso dela comigo também! Fazia musculação também com meu namorado, e assim que comecei a ver resultados tive que parar pois fiquei desempregada :/ Mas pretendo voltar e atingir meus objetivos! Já estou te acompanhando pra não perder nada <3

    Beijos!
    www.meiguicesdalu.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

@juma.se

Subscribe